Maçom lê Pouco?

14/05/2014 12:25

Existe no meio maçônico uma crença, popularizada por alguns escritores maçons, de que “maçom não lê”. Seria isso verdade? Por que dessa imagem negativa, de baixo índice de leitores e baixo volume de leitura?

Ora, os maçons não são analfabetos, pois exige-se intelecto bastante para absorver e compreender os ensinamentos maçônicos. O que os editais de candidatos à Iniciação também evidenciam é que a média de maçons com nível superior é bem superior que a média da sociedade em geral.

Então, o que justificaria tal imagem interna?

Vejamos uma explicação racional: conforme o IBGE (2009), apenas 28% dos municípios brasileiros possuem livrarias. Uma boa parcela dessas livrarias é segmentada, ou seja, de livros religiosos, ou jurídicos, ou didáticos, etc. Isso significa que menos de ¼ das livrarias do país atendem vários segmentos, podendo os títulos maçônicos alcançar suas estantes. É claro que essas cidades com livrarias são as maiores, mais populosas, distantes das pequenas cidades do interior. Assim sendo, como única alternativa, sobra ao maçom do interior a compra pela Internet, correto?

Ainda nesse raciocínio, o IBGE (2010) indica que apenas 27% dos domicílios brasileiros possuem acesso à Internet. Tais domicílios também estão concentrados nas grandes cidades. Resultado: as pequenas cidades, carentes de livrarias, também são de Internet, enquanto que 2/3 das Lojas Maçônicas brasileiras estão situadas nas pequenas cidades!

Além disso, deve-se observar o mercado editorial brasileiro: conforme a Câmara Brasileira do Livro e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, o Brasil possui mais de 700 Editoras. Dessas, dá para contar nas mãos aquelas que publicam livros relacionados à Maçonaria e os disponibilizam nas livrarias, sejam reais ou virtuais. Entre elas, destacam-se (por terem mais de dois títulos maçônicos publicados): Madras, Landmark, Pensamento, Universo dos Livros. E essas quatro editoras precisam brigar com as centenas de outras para garantir que os títulos maçônicos cheguem às estantes das livrarias. Afinal de contas, são dezenas de milhares de títulos publicados todos os anos… Por que priorizar um livro maçônico em detrimento de tantos outros livros, se, de mais de 200 mil maçons brasileiros, talvez apenas 70 mil vivem em cidades com livrarias? É um nicho muito pequeno, se comparado às centenas de milhares que são públicos-alvo de romances, livros religiosos, autoajuda e best-sellers.

Enfim, não é que os maçons leem pouco… é que eles não têm o que ler! Os livros simplesmente não chegam a grande parte deles. Cabe então às editoras com títulos maçônicos procurarem soluções inovadoras para alcançarem seu público. Mais vendas levariam a tiragens maiores, o que proporcionaria uma redução dos custos que refletiria em livros mais baratos para os maçons, o que colaboraria para ainda mais vendas. E mais maçons lendo mais livros significa mais luz na Maçonaria.

Publicado por Kennyo Ismail - http://www.noesquadro.com.br/